Sobre adiamentos

Tenho constantemente ouvido falar sobre a palavra “procrastinação”. O que isso significa?

“Ato ou efeito de procrastinar, adiamento, demora, delonga.”

Seria preguiça? Não!

Falo de um momento em que supostamente “deveríamos fazer algo” e simplesmente postergamos, adiamos, deixamos para depois. Distrações, pensamentos, enfim, algo nos desconecta do presente e nos faz passar desapercebidos pelo dever ou pelo que é posto como dever.

Numa sociedade pós-moderna em que tempo está logo associado a dinheiro perder tais momentos significa perder algo monetariamente valioso, como tempo de produção, tempo de reunião, making business, etc. A culpa é algo que logo vem acompanhado dessa “perda de tempo” que faz com que o sujeito pense numa perda muito maior frente aquilo que não produz.

Para além do que chega por meio do discurso sobre o não fazer, os atrasos, a culpa, a autorecriminação, penso que deveríamos começar a nos interrogar sobre a não efetivação dessas ações não apenas a luz da não produção, mas a partir do que significa a repetição desse lugar de não realizar algo. Muita das vezes não paramos para pensar, escutar, entender sobre o que em nós é movido que nos faz não efetuar uma ação. Caminhamos diretamente para uma lógica culposa que nos faz pensar em lugares como a incapacidade, a insuficiência, e não nos indagamos o porquê disto constantemente aparecer em nosso cotidiano.

Digo de um médico agendado e frequentemente cancelado por conta da possibilidade de um diagnóstico maligno, falo de um encontro constantemente desmarcado pelo medo do envolvimento, cito a organização financeira para o mês seguinte que nunca ocorre pelo medo de concretizar um projeto, e das vezes que semestralmente pegamos o panfleto do curso que possibilitaria algum tipo de deslocamento profissional e é adiado para o ano seguinte. Muitas outras questões nos fazem adiar não porque não estamos produzindo, mas porque talvez esse efetuar nos coloque em lugares em que temos receios, medos, em que podemos entrar em contato com um desconhecido e talvez com o lugar do
nosso desejo.

Precisamos parar de adiar? Talvez precisamos ouvir para onde esse adiamento aponta e quem sabe lá fazer dessa escuta uma ponte de apoio para onde queremos chegar e muita das vezes temos receio.

    Deixe seu comentário aqui